miércoles, 21 de diciembre de 2016

FUTEBOL MINEIRO

FUTEBOL  MINEIRO

AS MINAS GERAIS NO BRASIL


AS CIDADES MINEIRAS

História do futebol de Minas Gerais
O RICO PATRIMONIO HISTÓRICO DE MINAS GERAIS 

O primeiro clube de Belo Horizonte fundado para a prática do futebol foi o Sport Club Foot-Ball, fundado em 10 de junho de 1904, com os seus fundadores disputando a primeira partida entre os seus dois quadros no dia 3 de outubro do corrente ano, liderados por um carioca, Vítor Serpa, que havia estudado na Suiça, onde teve os primeiros contatos com o futebol.[1]
No rastro desta iniciativa, surgiram outros dois clubes, o Plínio Foot-Ball Club e o Atlético Mineiro, que não deve ser confundido com o clube do mesmo nome e primeiro clube que prosperou e segue ativo até hoje,[2] e que foi fundado em 25 de março de 1908 por dez estudantes de classe média, oito funcionários públicos, três ourives, um comerciário, um tipógrafo e um viajante, sendo dois deles ingleses e um italiano.[3]
Segundo clube mais antigo de Minas Gerais em atividade, o Villa Nova Atlético Clube foi fundado em 28 de junho de 1908, por operários e mineradores ingleses da Mineração Morro Velho S.A., tendo sido entretanto, o primeiro clube em atividade a entrar nos gramados mineiros, o que ocorreu na partida em que o Villa derrotou o Combinado de Lagoinha, bairro de Belo Horizonte, por por 2 a 1, em Nova Lima, no mesmo dia em que o Leão mineiro foi fundado. [4]
No mês de setembro de 1913 foi inaugurado pelo América Futebol Clube, fundado em 30 de abril de 1912 por estudantes oriundos da elite desta cidade, o primeiro campo de futebol em Belo Horizonte, onde funciona nos dias atuais o Mercado Central. Com o passar dos anos, o América se firmaria como o representante da elite local.[5]
Em 1914 foi fundada uma liga de futebol na cidade Juiz de Fora, que viria posteriormente a organizar o único campeonato citadino em uma cidade do interior por vários anos. Desde 1904, aparecem notícias na imprensa sobre partidas de futebol em Juiz de Fora, embora de forma mais clara, só a partir de 1907. Ata do Colégio Granbery, de 1893, aponta para a realização de um torneio interno. No dia 12 de maio de 1912 foi disputada uma partida entre o Granberyense de Juiz de Fora e o Clube Atlético Mineiro, em Belo Horizonte, com a vitória do primeiro por 5 a 1. Tendo sido realizada mais uma partida em Juiz de Fora no dia sete de setembro, com vitória do time da casa por 3 a 0, o que demonstra a força do futebol da cidade de de Juiz de Fora naquela época.[6] [7]
A Liga Mineira de Desportos Terrestres (LMDT) foi a primeira entidade federativa estadual, ao ser fundada em 1915, em Belo Horizonte.
Embora filiado à Liga Mineira desde 1915, apenas em 1927 o Villa Nova foi aceito como participante do Campeonato Mineiro, então Campeonato da Cidade de Belo Horizonte, sob a alegação de que a distância era grande (15 Km), e dificultaria o deslocamento dos outros clubes até Nova Lima, para que se tenha uma idéia da dificuldade de deslocamento entre as cidades mineiras nas primeiras décadas do século XX.[8]
Terceiro entre os grandes clubes de Belo Horizonte em atividade a ser fundado, o Cruzeiro Esporte Clube apareceu no cenário futebolístico mineiro em 2 de janeiro de 1921, através de iniciativa de desportistas da colônia italiana, ainda com o nome de Societá Sportiva Palestra Itália, com o clube se abrindo para todas as etnias com o decorrer do tempo. No corpo social do Palestra, prevaleciam homens da profissão de pedreiros, policiais, pintores, comerciários e marceneiros,[9] moradores de fora do perímetro da Avenida do Contorno, onde se formou o primeiro subúrbio da capital mineira.[10]
Considerados os outros clubes campeões mineiros ou de alguma divisão do Campeonato Brasileiro, no dia 26 de março de 1912 foi fundado na cidade de Juiz de Fora o Tupi Football Club, o Uberlândia Esporte Clube em 1º de novembro de 1922, a Associação Atlética Caldense em 7 de setembro de 1925 e o Ipatinga Futebol Clube em 21 de maio de 1998.
Em 30 de janeiro de 1963, a seleção mineira venceu a carioca por 2 a 1 em pleno Estádio do Maracanã, e conquistou o XXV Campeonato Brasileiro de Seleções Estaduais.
Tendo sido um dos estádios da Copa do Mundo de Futebol de 1950, o Estádio Independência foi o principal estádio de Minas Gerais até a inauguração do Estádio do Mineirão em 1965, fato este que elevou o futebol de Minas Gerais a outro patamar, aumentando muito a arrecadação dos grandes clubes mineiros e abrindo caminho para as maiores conquistas deste estado a partir de então.[11]
A CAVALHADA TRADICIONAL FESTA DO INTERIOR DE MINAS

O Campeonato Mineiro de Futebol é a competição de futebol disputada pelos clubes do estado de Minas Gerais, no sudeste brasileiro. Até o final da década de 1950 do século passado, era conhecido como Campeonato da Cidade.

História do Campeonato Mineiro
GAZETA ESPORTIVA 1917

Era amadora e Campeonato municipal de BH
Ver também Em 1914, foi disputada a Taça Bueno Brandão, considerada uma precursora do Campeonato Mineiro. O Clube Atlético Mineiro foi campeão, enfrentando América, Yale e um combinado entre essas duas equipes. Em 5 de março de 1915, foi fundada a Liga Mineira de Sports Athleticos (LMSA), rebatizada em 1918 para Liga Mineira de Desportos Terrestres (LMDT).[1] A entidade organizaria as primeiras edições do mineiro - que por contarem apenas com equipes de Belo Horizonte e de cidades próximas de sua região metropolitana, de 1915 até 1957 se chamava Campeonato Citadino de Belo Horizonte. Posteriormente, com a participação de times do interior de Minas mais distantes da capital Belo Horizonte, e a popularização da competição em todo o estado, o torneio passou a ser conhecido como Campeonato Estadual.
Em seus primeiros anos seria marcado por uma forte hegemonia do América. O primeiro campeonato foi disputado em 1915 e o campeão foi o Atlético. Nos dez anos seguintes, ninguém tirou a taça do América. O time de Belo Horizonte sagrou-se decacampeão da competição, feito que não foi igualado até hoje. A quebra do decampeonato ocorreu com uma final entre Atlético e Palestra Itália em 1926, vencida pelo primeiro. O Palestra brigou com os dirigentes da entidade e, com outros clubes de menor expressão, fundou a Associação Mineira de Esportes Terrestres (AMET), organizando outro campeonato, cujo campeão foi o próprio Palestra. Já no ano seguinte, as duas entidades se fundiram.[1]
Depois deste período de hegemonia absoluta do América, outras equipes começaram a surgir com força no cenário estadual de Minas Gerais. O Palestra Itália, que depois mudaria seu nome para Cruzeiro, foi um deles. Conseguiu ser tricampeão em 1928, 1929 e 1930, sendo as duas últimas campanhas realizadas com 100% de aproveitamento.
TIMES DO TORNEIO INICIO DE 1928 : América, Guarany, Palestra Itália, Villa Nova, Calafate, Atlético e Syrio Horizontino.

Em 1931, América e Villa Nova abandonaram a Liga Mineira de Desportos Terrestres por causa das arbitrariedades do Tribunal de Justiça Desportiva (na época chamado de Tribunal de Penas) durante a disputa do Campeonato da Cidade. Em seguida tiveram a companhia do VII de Setembro e, mais tarde, do Palestra Itália e do Grêmio Calafate.[1]
A divisão do título de 1932 foi o pontapé inicial para o profissionalismo do futebol mineiro. A temporada daquele ano começou tumultuada devido à fundação de uma nova liga no estado, a Associação Mineira de Esportes ‘Geraes’. A nova entidade tinha como fundadores o América, o Palestra Itália e o Villa Nova. Outros clubes seguiram o mesmo caminho e optaram por disputar o torneio da liga ‘alternativa’, enquanto entre os clubes tradicionais, apenas o Atlético permaneceu filiado à LMDT. Os dois campeonatos foram disputados paralelamente, entre março e novembro de 1932. No torneio da LMDT o Atlético não teve muitas dificuldades diante dos clubes mais fracos de Minas Gerais, e caminhou com tranqüilidade para o título. Nem mesmo a imprensa daquela época destacava os confrontos estaduais do Galo, chamando mais atenção para duelos interestaduais e principalmente os clássicos que aconteciam na AMEG. [1]
Os fundadores da nova entidade eram os favoritos ao título, mas na disputa entre eles o Villa Nova foi quem levou a melhor. No dia 25/10, o jornal “Estado de Minas” estampou em seu espaço destinado a esportes a manchete: “O VILLA É O CAMPEÃO! – 2x2 numa peleja que empolgou a torcida.” Ao lado da matéria sobre o dramático empate com o Palestra Itália, no campo da Avenida Paraopeba, também havia uma foto dos atletas que se consagraram na competição.
A partida entre palestrinos e villanovenses aconteceu dois dias antes da edição que parabenizava o Villa. Naquele dia 23/10, enquanto as equipes duelavam pela liga da AMEG, o Atlético, já campeão do torneio da LMDT, recebeu o Bonsucesso, do Rio de Janeiro, para um amistoso interestadual. A partida chamou atenção da critica, mas principalmente pelas entrevistas divulgadas após o jogo, no dia 27/10. A manchete “Profissionalismo no futebol da metrópole” foi o gancho ideal para as matérias com Sr. Virgilio Fedrighi, árbitro carioca que apitou o confronto entre mineiros e fluminenses, e o Sr. Romeu Dias Pino, secretário da equipe adversária do Galo. Aproveitando a oportunidade de estar em Belo Horizonte, Dias Pino falou ao ‘Estado de Minas’ e declarou seu principal interesse na visita: ver o esporte de Minas Gerais novamente unido.
“A MISSÃO DO DR. ROMEU: O Sr. Romeu Dias Pino, veio a Belo Horizonte como Secretário do Bonsucesso [...] Os diretores da embaixada carioca mostraram-se desejosos de ver restabelecida a antiga união reinante nos nossos esportes, com o desaparecimento da divisão que perdura.” [Jornal Estado de Minas – 27/10/1932]
Dias Pino declarou: “Temos o imenso prazer em contribuir para o desaparecimento de uma situação incomoda que aflige o esporte montanhês tão cheio de glórias.”
Não demorou muito para o apelo feito tomar maiores dimensões e mobilizar todos os envolvidos. No dia 04/11 foi realizada uma Assembléia com o objetivo de confirmar o que todos chamavam de ‘pacificação’. A manchete otimista e o trecho abaixo confirmava a esperança pela retomada da união:
”EM VÉSPERAS DE SER PACIFICADO O ESPORTE MONTANHES - [...] o nosso público esta ansioso para que o movimento atual tenha um desfecho satisfatório, isto é, que as duas facções de novo se reúnam sob uma única bandeira [...] Não há como negar que o padrão belorizontino antes da bipartição era bem superior ao de hoje. [Jornal Estado de Minas – 04/11/1932]
O dia seguinte a Assembléia foi de boas notícias para o futebol mineiro. A Liga Mineira de Desportos Terrestres aprovou a fórmula de pacificação do esporte em Minas Gerais e os jornais da época traziam aos mínimos detalhes como foi o encontro dos dirigentes. A nota oficial da LMDT veio na edição do dia 06/11/1932, com um voto de louvor ao Sr. Romeu Dias Pino e a diretoria da LMDT que renunciou ao cargo em pró da pacificação. Foi decidido na Assembléia a aprovação da ata, o cancelamento de todas as penalidades a clubes e atletas e a confirmação da aprovação da fórmula apresentada por diversos clubes para a pacificação dos esportes mineiros.
O primeiro termo da nota confirmava o sucesso do movimento: “Transformação da LMDT em uma federação aos moldes da Associação Fluminense de Esportes Atléticos”.
As mudanças foram exaltadas na edição do dia 10 de novembro, quando, enfim, foi instalada a Federação das Associações Mineiras de Atlhetismo (FAMA) e a Liga de Amadores de Futebol (LAF). A nova diretoria foi nomeada e ficou acordado entre os clubes que as competições do ano corrente chegariam ao fim. Também foi feita uma homenagem ao Sr. Romeu com os dizeres: “UM ‘LUNCHE’ AO BONSUCESSO, O MENSAGEIRO DA PAZ!”
“Nesta hora de confraternização entre nossos clubes a figura do rubro-anil carioca aparece envolvida numa auréola de simpatia, credor da gratidão dos bons esportistas mineiros”. [Jornal Estado de Minas – 10/11/1932]
Fica-se claro que a LMDT não foi extinta, apenas se reformulou em meio a divisão que aconteceu no início daquele ano. Com a retomada dos clubes em uma mesma liga/federação, a entidade passou a ter novo nome, e a união junto a AMEG fez com que os dois clubes campeões daquela temporada, Atlético e Villa Nova, fossem reconhecidos campeões mineiros, já que ao final do ano, ambos faziam parte da mesma entidade. A partir de 1933 o Campeonato Mineiro passa a ser disputado profissionalmente.
Entre 1932 e 1935, o Villa Nova, de Nova Lima, foi tetracampeão. É o time do interior do estado com o maior número de títulos, em um cenário dominado pelas equipes da capital: Atlético, Cruzeiro e América, principalmente os dois primeiros.
Fase Profissional
1933 foi também um ano marcante na história da competição. Nesse ano, oficializou-se o profissionalismo no campeonato, que até então era uma competição amadora. Na primeira tentativa de realizar um campeonato com times de todo o estado, três equipes recém-profissionalizadas do interior participaram da disputa naquele ano: Tupi, Tupynambás e Sport, todas de Juiz de Fora.
Em 1934, decidiu-se que os campeonatos da cidade de Belo Horizonte e Juiz de Fora seriam organizados separadamente, e os campeões das cidades decidiriam o título mineiro. Após o primeiro jogo da final do campeonato, a sub-liga de Juiz de Fora desafiliou-se da Federação Brasileira de Futebol, entidade à qual a AMF (atual FMF) era afiliada, reafiliando-se à CBD. Com isso, os demais jogos da final foram cancelados e o Villa Nova foi declarado Campeão Mineiro.
Em 1937, outro clube de fora de Belo Horizonte alcançou o título: o Siderúrgica, de Sabará, que conquistou o primeiro de seus dois títulos. Até hoje, o campeonato de 1937 é o único que teve seu campeão e vice-campeão de fora de Belo Horizonte - o vice-campeão foi o Villa Nova.
No início de 1942, o Palestra Itália foi obrigado a mudar de nome, pois o Brasil havia entrado na Segunda Guerra Mundial ao lado dos aliados, enfrentando Itália e Alemanha. Assim, o presidente Getúlio Vargas exigiu a mudança de nomes germanófilos ou de origem italiana. Dessa forma, o clube passou a chamar-se Palestra Mineiro. No decorrer do ano, houve pressão para uma mudança completa no nome, pois a palavra “palestra”, ainda que de origem grega, ainda era muito associada à Itália. Assim, quando as pressões ficaram insuportáveis, o Palestra Mineiro mudou emergencialmente de nome para Ypiranga. Tal denominação durou apenas um jogo - coincidentemente, um clássico contra o Atlético, que venceu o jogo. Na semana seguinte à partida, o conselho do Ypiranga se reuniu e oficializou a mudança de nome para Cruzeiro Esporte Clube. Algo semelhante aconteceu com o Palestra Itália-SP, que se tornou Palestra de São Paulo, no início do ano, e mais tarde Sociedade Esportiva Palmeiras.
Campeonato Mineiro
Em 1958 foi necessário se instituir o campeonato mineiro, em virtude da criação da Taça Brasil, que começaria a ser disputada no ano seguinte. A Federação Mineira instituiu um torneio eliminatório para selecionar 8 participantes para o campeonato. Vários clubes se inscreveram, fazendo com que o torneio eliminatório só terminasse em outubro de 1958, mesmo mês em que começou o campeonato mineiro daquele ano.
Era Mineirão
ESTADIO DO MINEIRAO - ANOS 60

A história do campeonato pode ser dividida em duas partes: antes e depois da construção do Mineirão, que foi inaugurado em setembro de 1965. Nesta época, o time celeste começava a adquirir enorme projeção nacional, com um grande time comandado por Tostão.
Na “Era Mineirão”, os dois principais clubes do estado passaram a ter hegemonia absoluta durante muito tempo. Em 1964, a Siderúrgica foi campeã mineira. Entre 1965 e 1992, somente Atlético e Cruzeiro levantaram a taça, com exceção do campeonato do ano de 1971, vencido pelo América. Em 1993 e 2001 o campeonato também foi conquistado pelo América, que desde então, não conquistou mais nenhum título.
BEL HORIZONTE - ESTADIO MINEIRAO

Últimos campeonatos
Em 2002, o estadual não contou com a participação dos clubes da capital (América, Atlético e Cruzeiro) e do Mamoré, de Patos de Minas. As quatro equipes disputaram a Liga Sul Minas, competição que foi administrada pelos próprios times participantes. No entanto, mesmo com a ausência dos grandes do estado, a Federação Mineira de Futebol promoveu o Campeonato Mineiro, e a festa do interior ficou com a Caldense, de Poços de Caldas, sagrando-se campeã estadual em 2002. Com a conquista do título a ‘Veterana’ obteve a condição de disputar o Supercampeonato Mineiro, se juntando as quatro equipes que abdicaram do Mineiro no início da temporada. O Cruzeiro conquistou o título do inédito campeonato. O Supercampeonato, apesar de ser um torneio oficial, não é reconhecido pela FMF como um Campeonato Mineiro, mas sim um outro tipo de torneio em separado.
Em 2005, o modesto Ipatinga surpreendeu os times da capital. Com um elenco formado por muitos atletas emprestados de outros clubes, principalmente do Cruzeiro, conseguiu superar as equipes da capital e chegar ao título, em pleno Mineirão. O time do interior chegou à final mais uma vez em 2006, mas daquela vez foi derrotado pelo Cruzeiro numa revanche, pois o último jogo da final foi em Ipatinga. Naqueles tempos, o Ipatinga foi a maior força do interior, conseguindo sucessivos acessos nas divisões inferiores do Campeonato Brasileiro, culminando com o acesso à Série A em 2007 – naquela Série B, o Ipatinga ficou a centímetros de sagrar-se campeão, perdendo o título por conta de um gol do Coritiba nos acrésimos de sua partida, quando o jogo do Ipatinga já havia terminado.
Entre 2007 e 2009, a final do campeonato ficou marcada por goleadas no primeiro jogo da final, que praticamente selaram o destino das taças. Em 2009, o Atlético venceu o Cruzeiro por 4 a 0 na primeira partida, confirmando o título com uma derrota por 2 a 0 no segundo jogo, insuficiente para tirar-lhe a taça. Ali, o Atlético conquistou o 39° título de sua história. Em 2008 e 2009, foi a vez do Cruzeiro aplicar goleadas, no primeiro jogo das duas finais, pelo placar repetido de 5 a 0. Já em 2010, o Atlético derrotou o Ipatinga na grande final e ficou com o título do Campeonato. Em 2011 a final foi entre Atlético e Cruzeiro, tendo o Cruzeiro vencido e em 2012 a final foi entre Atlético e América, tendo o Atlético conquistado o título de forma invicta.
Em 2013, na 100º edição do campeonato, o Atlético conquistou o seu 41º título. Em 2014, foi a vez do Cruzeiro levantar a taça. Em 2015, a final foi realizada entre a equipe até então, estava invicta na competição, a Caldense- disputando o título com o Atlético. Depois de um empate no Mineirão, a equipe da capital venceu o jogo fora de casa por 2 a 1 e se sagrou campeã pela 42ª vez na história.
Atualmente o Campeonato Mineiro é composto por duas divisões. A Primeira Divisão é composta por dois "módulos". O Módulo I é o primeiro nível, e o Módulo II o segundo nível. O torneio conhecido como Segunda Divisão funciona como o terceiro nível do futebol mineiro.
Em 2012, a FMF homologou oficialmente o título de 1925 para o América que não havia sido concluído, e lançou o troféu 100º Campeão Mineiro em sua 98ª edição, considerando apenas os anos de 1932 e 1956 com dois campeões e considerando o ano de 1926 com apenas um campeão oficial.
Em 2014, comemorando a 100ª edição do Campeonato, a FMF lançou um selo comemorativo que os clubes usaram em suas mangas do uniforme durante a disputa.
DEMOCRÁTA X ATLÉTICO MINEIRO - CAMPEONATO DE 2012

CAMPEONATOS

Fase Amadora
Edição   Ano   Campeão      Vice-Campeão     3º Colocado       4º Colocado
1ª            1915  Atlético (Belo Horizonte)   Yale (Belo Horizonte) América (Belo Horizonte)    Christovam Colombo (Belo Horizonte)
2ª            1916  América (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte) Yale (Belo Horizonte) Christovam Colombo (Belo Horizonte)
3ª            1917  América (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte) Christovam Colombo (Belo Horizonte)               Yale (Belo Horizonte)
4ª            1918  América (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)      Yale (Belo Horizonte) Luzitano (Belo Horizonte)
5ª            1919  América (Belo Horizonte) Sete de Setembro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte) Luzitano (Belo Horizonte)
6ª            1920  América (Belo Horizonte) Sete de Setembro (Belo Horizonte)   Yale (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)
7ª            1921  América (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)      Luzitano (Belo Horizonte) Sete de Setembro (Belo Horizonte)
8ª            1922  América (Belo Horizonte) Palestra Itália (Belo Horizonte)         Yale (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)
9ª            1923  América (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)      Palestra Itália (Belo Horizonte) Luzitano (Belo Horizonte)
10ª          1924  América (Belo Horizonte) Palestra Itália (Belo Horizonte)         Yale (Belo Horizonte) Sete de Setembro (Belo Horizonte)
11ª          1925  América (Belo Horizonte)[nota 1] Não houve [nota 1] Não houve      Não houve
12ª          1926  Atlético (Belo Horizonte)[nota 2] Palmeiras (Belo Horizonte)[nota 2] América (Belo Horizonte)               Sport Calafate (Belo Horizonte)
13ª          1927  Atlético (Belo Horizonte)   América (Belo Horizonte)     Villa Nova (Nova Lima)               Palestra Itália (Belo Horizonte)
14ª          1928  Palestra Itália (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte) América (Belo Horizonte) Villa Nova (Nova Lima)
15ª          1929  Palestra Itália (Belo Horizonte)              Atlético (Belo Horizonte) América (Belo Horizonte)               Sete de Setembro (Belo Horizonte)
16ª          1930  Palestra Itália (Belo Horizonte)              América (Belo Horizonte) Villa Nova (Nova Lima)               Sete de Setembro (Belo Horizonte)
17ª          1931  Atlético (Belo Horizonte)   Palestra Itália (Belo Horizonte) Fluminense (Belo Horizonte)               Guarany-BH (Belo Horizonte)
18ª          1932  Atlético (Belo Horizonte) - LMDT[nota 2]
Villa Nova (Nova Lima) – AMEG Retiro (Nova Lima) – LMDT
Palestra Itália (Belo Horizonte) – AMEG  Alves Nogueira (Sabará) - LMDT
Sete de Setembro (Belo Horizonte) – AMEG
Guarany-BH (Belo Horizonte) - LMDT[nota 2] América (Belo Horizonte) - AMEG[nota 3]
Fase Profissional
Edição   Ano   Campeão      Vice-Campeão 3º Colocado           4º Colocado
19ª          1933  Villa Nova (Nova Lima) Tupi (Juiz de Fora) - Estadual
Palestra Itália (Belo Horizonte) – Cidade Siderúrgica (Sabará) Atlético (Belo Horizonte)
20ª          1934  Villa Nova (Nova Lima)     Tupynambás (Juiz de Fora) - Estadual
Atlético Mineiro (Belo Horizonte) – Cidade Siderúrgica (Sabará) Retiro (Nova Lima)
21ª          1935  Villa Nova (Nova Lima)     Atlético (Belo Horizonte)      Siderúrgica (Sabará)   Palestra Itália (Belo Horizonte)
22ª          1936  Atlético (Belo Horizonte)   Siderúrgica (Sabará)   Retiro (Nova Lima) Não Houve
23ª          1937  Siderúrgica (Sabará) Villa Nova (Nova Lima)     Palestra Itália (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)
24ª          1938  Atlético (Belo Horizonte)   Siderúrgica (Sabará)   Villa Nova (Nova Lima)        América (Belo Horizonte)
25ª          1939  Atlético (Belo Horizonte)   América (Belo Horizonte)     Siderúrgica (Sabará)   Villa Nova (Nova Lima)
26ª          1940  Palestra Itália (Belo Horizonte)[nota 4]     Atlético (Belo Horizonte) Siderúrgica (Sabará) América (Belo Horizonte)
27ª          1941  Atlético (Belo Horizonte)   Siderúrgica (Sabará)   Palestra Itália (Belo Horizonte)               América (Belo Horizonte)
28ª          1942  Atlético (Belo Horizonte)   América (Belo Horizonte)     Siderúrgica (Sabará)   Sete de Setembro (Belo Horizonte)
29ª          1943  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)      América (Belo Horizonte)               Siderúrgica (Sabará)
30ª          1944  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)      América (Belo Horizonte) Siderúrgica (Sabará)
31ª          1945  Cruzeiro (Belo Horizonte) Villa Nova (Nova Lima)        América (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)
32ª          1946  Atlético (Belo Horizonte)   Villa Nova (Nova Lima)        Cruzeiro (Belo Horizonte) Metalusina (Barão de Cocais)
33ª          1947  Atlético (Belo Horizonte)   Villa Nova (Nova Lima)        América (Belo Horizonte)               Metalusina (Barão de Cocais)
34ª          1948  América (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)      Cruzeiro (Belo Horizonte) Villa Nova (Nova Lima)
35ª          1949  Atlético (Belo Horizonte)   América (Belo Horizonte)     Cruzeiro (Belo Horizonte) Metalusina (Barão de Cocais)
36ª          1950  Atlético (Belo Horizonte)   Siderúrgica (Sabará)   Cruzeiro (Belo Horizonte)     América (Belo Horizonte)
37ª          1951  Villa Nova (Nova Lima)     Atlético (Belo Horizonte)      Cruzeiro (Belo Horizonte) Siderúrgica (Sabará)
38ª          1952  Atlético (Belo Horizonte)   Siderúrgica (Sabará)   América (Belo Horizonte)     Villa Nova (Nova Lima)
39ª          1953  Atlético (Belo Horizonte)   Villa Nova (Nova Lima)        Siderúrgica (Sabará)   Sete de Setembro (Belo Horizonte)
40ª          1954  Atlético (Belo Horizonte)   Cruzeiro (Belo Horizonte)     América (Belo Horizonte)               Siderúrgica (Sabará)
41ª          1955  Atlético (Belo Horizonte)   Democrata (Sete Lagoas)       América (Belo Horizonte)               Siderúrgica (Sabará)
42ª          1956  Atlético (Belo Horizonte)  Cruzeiro (Belo Horizonte)  Não Houve Siderúrgica (Sabará) Democrata (Sete Lagoas)
43ª          1957  América (Belo Horizonte) Democrata (Sete Lagoas)       Atlético (Belo Horizonte)               Siderúrgica (Sabará)
44ª          1958  Atlético (Belo Horizonte)   América (Belo Horizonte)     Cruzeiro (Belo Horizonte) Siderúrgica (Sabará)
45ª          1959  Cruzeiro (Belo Horizonte) América (Belo Horizonte)     Villa Nova (Nova Lima)               Democrata (Sete Lagoas)
46ª          1960  Cruzeiro (Belo Horizonte) Siderúrgica (Sabará)   América (Belo Horizonte)     Villa Nova (Nova Lima)
47ª          1961  Cruzeiro (Belo Horizonte) América (Belo Horizonte)     Atlético (Belo Horizonte)               Democrata (Sete Lagoas)
48ª          1962  Atlético (Belo Horizonte)   Cruzeiro (Belo Horizonte)     América (Belo Horizonte)     Villa Nova (Nova Lima)
49ª          1963  Atlético (Belo Horizonte)   Democrata (Sete Lagoas)       Cruzeiro (Belo Horizonte) Siderúrgica (Sabará)
50ª          1964  Siderúrgica (Sabará)          América (Belo Horizonte)     Cruzeiro (Belo Horizonte) Uberaba (Uberaba)
51ª          1965  Cruzeiro (Belo Horizonte) América (Belo Horizonte)     Siderúrgica (Sabará)   Atlético (Belo Horizonte)
52ª     1966  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)           Uberaba (Uberaba)     Nacional (Uberaba)
53ª     1967  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)           América (Belo Horizonte)          Formiga (Formiga)
54ª     1968  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)           Uberlândia (Uberlândia) Formiga (Formiga)
55ª     1969  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)           América (Belo Horizonte)          Valeriodoce (Itabira)
56ª     1970  Atlético (Belo Horizonte)   Cruzeiro (Belo Horizonte)          América (Belo Horizonte)          Uberlândia (Uberlândia)
57ª     1971  América (Belo Horizonte)  Cruzeiro (Belo Horizonte)          Atlético (Belo Horizonte)          Uberlândia (Uberlândia)
58ª     1972  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)           América (Belo Horizonte)          Atlético (Três Corações)
59ª     1973  Cruzeiro (Belo Horizonte) América (Belo Horizonte)          Uberaba (Uberaba)     Atlético (Belo Horizonte)
60ª     1974  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)           Caldense (Poços de Caldas)          Uberaba (Uberaba)
61ª     1975  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)           Caldense (Poços de Caldas)          América (Belo Horizonte)
62ª     1976  Atlético (Belo Horizonte)   Cruzeiro (Belo Horizonte)          América (Belo Horizonte)          Caldense (Poços de Caldas)
63ª     1977  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)           América (Belo Horizonte)     Villa Nova (Nova Lima)
64ª     1978  Atlético (Belo Horizonte)   Cruzeiro (Belo Horizonte)          América (Belo Horizonte)          Valeriodoce (Itabira)
65ª     1979  Atlético (Belo Horizonte)   Cruzeiro (Belo Horizonte)          América (Belo Horizonte)          Uberlândia (Uberlândia)
66ª     1980  Atlético (Belo Horizonte)   Cruzeiro (Belo Horizonte)          América (Belo Horizonte)          Uberaba (Uberaba)
67ª     1981  Atlético (Belo Horizonte)   Cruzeiro (Belo Horizonte)          América (Belo Horizonte)          Uberaba (Uberaba)
68ª     1982  Atlético (Belo Horizonte)   Cruzeiro (Belo Horizonte)          Uberaba (Uberaba)     América (Belo Horizonte)
69ª     1983  Atlético (Belo Horizonte)   Cruzeiro (Belo Horizonte)          América (Belo Horizonte)          Uberlândia (Uberlândia)
70ª     1984  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)           América (Belo Horizonte)     Villa Nova (Nova Lima)
71ª     1985  Atlético (Belo Horizonte)   Cruzeiro (Belo Horizonte)          América (Belo Horizonte)     Tupi (Juiz de Fora)
72ª     1986  Atlético (Belo Horizonte)   Cruzeiro (Belo Horizonte)          Uberlândia (Uberlândia) América (Belo Horizonte)
73ª     1987  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)           Uberlândia (Uberlândia) Tupi (Juiz de Fora)
74ª     1988  Atlético (Belo Horizonte)   Cruzeiro (Belo Horizonte) Fabril (Lavras) Valeriodoce (Itabira)
75ª     1989  Atlético (Belo Horizonte)   Cruzeiro (Belo Horizonte)          América (Belo Horizonte)          Esportivo (Passos)
76ª     1990  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)           América (Belo Horizonte)     Rio Branco (Andradas)
77ª     1991  Atlético (Belo Horizonte)   Democrata (Governador Valadares) Cruzeiro (Belo Horizonte) América (Belo Horizonte)
78ª     1992  Cruzeiro (Belo Horizonte) América (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte)    Rio Branco (Andradas)
79ª     1993  América (Belo Horizonte)  Atlético (Belo Horizonte) Cruzeiro (Belo Horizonte) Democrata (Governador Valadares)
80ª     1994  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte) América (Belo Horizonte)    Democrata (Governador Valadares)
81ª     1995  Atlético (Belo Horizonte)   América (Belo Horizonte) Cruzeiro (Belo Horizonte)   Mamoré (Patos de Minas)
82ª     1996  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte) Caldense (Poços de Caldas) Villa Nova (Nova Lima)
83ª     1997  Cruzeiro (Belo Horizonte) Villa Nova (Nova Lima) América (Belo Horizonte)     Social (Cel Fabriciano)
84ª     1998  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte) Villa Nova (Nova Lima)       América (Belo Horizonte)
85ª     1999  Atlético (Belo Horizonte)   América (Belo Horizonte) Cruzeiro (Belo Horizonte)   Villa Nova (Nova Lima)
86ª     2000  Atlético (Belo Horizonte)   Cruzeiro (Belo Horizonte) América (Belo Horizonte)   Ipatinga (Ipatinga)
87ª     2001  América (Belo Horizonte)  Atlético (Belo Horizonte) Cruzeiro (Belo Horizonte)    Villa Nova (Nova Lima)
88ª     2002  Caldense (Poços de Caldas) Ipatinga (Ipatinga) Villa Nova (Nova Lima) Tupi (Juiz de Fora)
89ª     2003  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte) América (Belo Horizonte)    Tupi (Juiz de Fora)
90ª     2004  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte) América (Belo Horizonte)    Caldense (Poços de Caldas)
91ª     2005  Ipatinga (Ipatinga) Cruzeiro (Belo Horizonte) URT (Patos de Minas) Atlético (Belo Horizonte)
92ª     2006  Cruzeiro (Belo Horizonte) Ipatinga (Ipatinga) Atlético (Belo Horizonte)    América (Belo Horizonte)
93ª     2007  Atlético (Belo Horizonte)   Cruzeiro (Belo Horizonte) Democrata (Governador Valadares)          Tupi (Juiz de Fora)
94ª     2008  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte) Tupi (Juiz de Fora) Ituiutaba (Ituiutaba)
95ª     2009  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte) Ituiutaba (Ituiutaba) Rio Branco (Andradas)
96ª     2010  Atlético (Belo Horizonte)   Ipatinga (Ipatinga) Cruzeiro (Belo Horizonte) Democrata (Governador Valadares)
97ª     2011  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte) América (Belo Horizonte)    América (Teófilo Otoni)
98ª     2012  Atlético (Belo Horizonte)   América (Belo Horizonte) Cruzeiro (Belo Horizonte)   Tupi (Juiz de Fora)
99ª     2013  Atlético (Belo Horizonte)   Cruzeiro (Belo Horizonte) Tombense (Tombos)            Villa Nova (Nova Lima)
100ª   2014  Cruzeiro (Belo Horizonte) Atlético (Belo Horizonte) América (Belo Horizonte)    Boa Esporte (Varginha)
101ª   2015  Atlético (Belo Horizonte)   Caldense (Poços de Caldas) Cruzeiro (Belo Horizonte)          Tombense (Tombos)
                                   MASCOTES DO TIMES MINEIROS - XARGE DOS ANOS 40

Títulos por equipe
Clube       Cidade   Títulos                           Vices
Atlético  Belo Horizonte  43 (1915, 1926, 1927, 1931, 1932, 1936, 1938, 1939, 1941, 1942, 1946, 1947, 1949, 1950, 1952, 1953, 1954, 1955, 1956 , 1958, 1962, 1963, 1970, 1976, 1978, 1979, 1980, 1981, 1982, 1983, 1985, 1986, 1988, 1989, 1991, 1995, 1999, 2000, 2007, 2010, 2012, 2013 e 2015) 36 (1916, 1917, 1918, 1921, 1923, 1928, 1929, 1934, 1935, 1940, 1943, 1944, 1948, 1951, 1966, 1967, 1968, 1969, 1972, 1974, 1975, 1977, 1984, 1987, 1990, 1993, 1994, 1996, 1998, 2001, 2003, 2008, 2009, 2011 e 2014)
Cruzeiro Belo Horizonte 36 (1928, 1929, 1930, 1940 , 1943, 1944, 1945, 1956, 1959, 1960, 1961, 1965, 1966, 1967, 1968, 1969, 1972, 1973, 1974, 1975, 1977, 1984, 1987, 1990, 1992, 1994, 1996, 1997, 1998, 2003, 2004, 2006, 2008, 2009, 2011 e 2014)24 (1922, 1924, 1931, 1932, 1933 , 1954, 1962, 1970, 1971, 1976, 1978, 1979, 1980, 1981, 1982, 1983, 1985, 1986, 1988, 1989, 2000, 2005, 2007, 2013)
América Belo Horizonte  15 (1916, 1917, 1918, 1919, 1920, 1921, 1922, 1923, 1924, 1925 , 1948, 1957, 1971, 1993 e 2001) 15 (1927, 1930, 1939, 1942, 1949, 1958, 1959, 1961, 1964, 1965, 1973, 1992, 1995, 1999 e 2012)
Villa Nova    Nova Lima 5 (1932 , 1933, 1934, 1935 e 1951) 6 (1937, 1945, 1946, 1947, 1953 e 1997)
Siderúrgica   Sabará 2 (1937 e 19646 (1936, 1938, 1941, 1950, 1952 e 1960)
Ipatinga        Ipatinga      1 (2005) 3 (2002, 2006 e 2010)
Caldense       Poços de Caldas 1 (2002 1 (2015)
Democrata    Sete Lagoas 0 3 (1955, 1957 e 1963)
Democrata    Governador Valadares 0  1 (1991)
Tupi              Juiz de Fora                                                  0 1 (1933)
Tupynambás      Juiz de Fora         0 1 (1934)
Retiro                  Nova Lima           0 1 (1932[nota 2] )
Palmeiras            Belo Horizonte    0 1 (1926
Sete de Setembro Belo Horizonte  0 2 (1919 e 1920)
Yale                     Belo Horizonte    0 1 (1915)

Campeões consecutivos
Decacampeonatos
  • América: 1 vez (1916-17-18-19-20-21-22-23-24-25)
Hexacampeonatos
Pentacampeonatos
Tetracampeonatos
Tricampeonatos
  • Cruzeiro: 4 vezes (1928-29-30, 1943-44-45, 1959-60-61, 1996-97-98)
Bicampeonatos
  • Atlético: 11 vezes (1926-27, 1931-32, 1938-39, 1941-42, 1946-47, 1949-50, 1962-63, 1985-86, 1988-89, 1999-00, 2012-13)
  • Cruzeiro: 2 vezes (2003-04, 2008-09)

Artilheiros
CASAGRANDE (CALDENSE) X EDER (ATLÉTICO MINEIRO) 1981

Ano        Artilheiro         Clube                  Gols
1915       Meireles            Atlético (Belo Horizonte)            7
1916       Britto                América (Belo Horizonte)           12
1917       Britto                América (Belo Horizonte)           ?
1918       Britto                América (Belo Horizonte)           9
1919       Britto                América (Belo Horizonte)           11
1920       Britto                América (Belo Horizonte)           13
1921       Gérson              América (Belo Horizonte)           16
1922       Gérson              América (Belo Horizonte)           10
1923       Satyro Taboada América (Belo Horizonte)           8
1924       Satyro Taboada América (Belo Horizonte)           ?
1925       Não houve                                    -
1926       Mário de Castro Atlético (Belo Horizonte)           20
1927       Mário de Castro Atlético (Belo Horizonte)           27
1928       Ninão                Palestra Itália (Belo Horizonte)   43
1929       Ninão                Palestra Itália (Belo Horizonte)   33
1930       Ninão                Palestra Itália (Belo Horizonte)   18
1931       Orlando             Atlético (Belo Horizonte)            18
1932 AMEG Bengala      Palestra Itália (Belo Horizonte)   12
1932 LMDT Didico         Alves Nogueira (Sabará)  14
1933       Paulista             América (Belo Horizonte) 13
               Lage                  Tupi (Juiz de Fora)         
               Canhoto            Villa Nova (Nova Lima) 
1934       Alfredo Bernardino Villa Nova (Nova Lima) 11
1935       Mergulho          Villa Nova (Nova Lima)  12
1936       Guará                Atlético (Belo Horizonte)            22
1937       Arlindo             Siderúrgica (Sabará)        9
1938       Guará                Atlético (Belo Horizonte)            18
1939       Arlindo             Siderúrgica (Sabará)        9
1940       Niginho             Palestra Itália (Belo Horizonte)   12
1941       Cecy                  Siderúrgica (Sabará)        16
1942       Tião                   Atlético (Belo Horizonte)            13
1943       Alcides              Cruzeiro (Belo Horizonte) 9
1944       Ceci                   Villa Nova (Nova Lima)  12
1945       Niginho             Cruzeiro (Belo Horizonte) 14
1946       Lero                  Atlético (Belo Horizonte)            13
1947       Lero                  Atlético (Belo Horizonte)            12
1948       Petrônio            América (Belo Horizonte) 19
1949       Osório               Villa Nova (Nova Lima)  13
1950       Nívio                 Atlético (Belo Horizonte)            13
1951       Lucas                Atlético (Belo Horizonte)            16
1952       Vavá                 Atlético (Belo Horizonte)            15
1953       Escurinho          Villa Nova (Nova Lima)  17
1954       Raimundinho    Cruzeiro (Belo Horizonte) 13
1955       Tomazinho        Atlético (Belo Horizonte)            15
1956       Tomazinho        Atlético (Belo Horizonte)            17
1957       Bertôlo              Democrata (Sete Lagoas) 16
1958       Dino                  Atlético (Belo Horizonte)            18
1959       Silvinho             Democrata (Sete Lagoas) 20
1960       Miltinho            Sete de Setembro (Belo Horizonte) 29
1961       Amauri Horta   América (Belo Horizonte) 14
               Gilberto             Pedro Leopoldo (Pedro Leopoldo)         
1962       Marco Antônio América (Belo Horizonte) 21
1963       Viladônega       Atlético (Belo Horizonte)            12
               Fazendeiro        Uberlândia (Uberlândia) 
1964       Jair Bala            América (Belo Horizonte) 19
1965       Roberto Mauro Atlético (Belo Horizonte)            17
1966       Tostão               Cruzeiro (Belo Horizonte) 18
1967       Tostão               Cruzeiro (Belo Horizonte) 20
1968       Tostão               Cruzeiro (Belo Horizonte) 20
1969       Dario                 Atlético (Belo Horizonte)            29
1970       Dario                 Atlético (Belo Horizonte)            16
1971       Jair Bala            América (Belo Horizonte) 14
1972       Dario                 Atlético (Belo Horizonte)            22
1973       Campos             Atlético (Belo Horizonte)            15
1974       Dario                 Atlético (Belo Horizonte)            24
1975       Palhinha            Cruzeiro (Belo Horizonte) 10
1976       Marcão              América (Belo Horizonte) 13
1977       Eli Carlos          Cruzeiro (Belo Horizonte) 17
1978       Luís Alberto      Valeriodoce (Itabira) 12
1979       Fernando Roberto Guarani (Divinópolis)  16
1980       Mauro Cruzeiro (Belo Horizonte) 18
1981       Wagner Oliveira América (Belo Horizonte) 16
1982       Tostão II           Cruzeiro (Belo Horizonte) 17
1983       Paulinho Kiss    Atlético (Belo Horizonte)            13
               Carlinhos           Cruzeiro (Belo Horizonte)          
               Tostão II                                      
1984       Carlos Alberto Seixas Cruzeiro (Belo Horizonte) 14
1985       Everton             Atlético (Belo Horizonte)            16
1986       Nunes                Atlético (Belo Horizonte)            26
1987       Luizão               Tupi (Juiz de Fora) 13
               Carlos Henrique Uberlândia (Uberlândia)
1988       Hamilton           Cruzeiro (Belo Horizonte) 16
1989       Gérson              Atlético (Belo Horizonte)            19
1990       Sílvio                 América (Belo Horizonte) 20
1991       Gilmar               Democrata (Governador Valadares)        14
1992       Toto                  Cruzeiro (Belo Horizonte) 16
1993       Hamilton           América (Belo Horizonte) 12
1994       Ronaldo            Cruzeiro (Belo Horizonte) 22
1995       Renaldo            Atlético (Belo Horizonte)            13
1996       Marcelo Ramos Cruzeiro (Belo Horizonte) 23
1997       Rinaldo             América (Belo Horizonte) 12
1998       Marques            Atlético (Belo Horizonte)            13
1999       Ditinho              URT (Patos de Minas)     12
2000       Joãozinho          Ipatinga (Ipatinga)           14
               Ditinho              URT (Patos de Minas)    
2001       Guilherme         Atlético (Belo Horizonte)            10
2002       Gustavinho       Caldense (Poços de Caldas)         9
2003       Guilherme         Atlético (Belo Horizonte)            13
2004       Alex                  Cruzeiro (Belo Horizonte)14
2005       Fred                  Cruzeiro (Belo Horizonte) 14
2006       Marcelo Pelé     Democrata (Sete Lagoas) 9
2007       Araújo               Cruzeiro (Belo Horizonte) 11
2008       Jaja                    Guarani (Divinópolis)      7
2009       Diego Tardeli    Atlético (Belo Horizonte)            16
2010       Eraldo               Democrata (Governador Valadares) 11
2011       Fábio Júnior      América (Belo Horizonte) 13
2012       Wellington Paulista Cruzeiro (Belo Horizonte)    11
2013       Júnior Negão    Tombense (Tombos)        8
2014       Mancini             Villa Nova (Nova Lima)  7
2015       Leandro Damião Cruzeiro (Belo Horizonte)         9

REINALDO & TOSTAO - ARTILHEIROS DE ATLÉTICO E CRUZEIRO

Maiores goleadas
  • 17/06/1927 Palestra Itália 14 x 0 Alves Nogueira
  • 29/07/1928 América-MG 14 x 0 Palmeiras-BH
  • 11/08/1929 Atlético Mineiro 13x0 Calafate
  • 27/04/1930 América-MG 13x0 Palmeiras-BH
  • 11/11/1928 Villa Nova 12x0 Palmeiras-BH
  • 05/05/1929 Palestra Itália 12x0 Alves Nogueira
  • 13/07/1930 Palestra Itália 12x0 Palmeiras-BH
  • 03/06/1928 Palestra Itália 11x0 Calafate
  • 11/08/1929 Palestra Itália 11x0 Alves Nogueira
  • 22/09/1929 Atlético Mineiro 11x0 Santa Cruz-BH
  • 20/04/1930 Palestra Itália 11x0 Palmeiras-BH
  • 08/07/1930 Atlético Mineiro 11x0 Calafate
  • 31/05/1931 Villa Nova 11x0 Calafate
  • 19/08/1934 Villa Nova 11x0 América-MG
  • 09/10/1980 Cruzeiro 11x0 Flamengo-Varginha
  • 05/08/1928 Atlético Mineiro 11x1 Palmeiras-BH
  • 12/08/1928 Palestra Itália 11x1 Guarany-BH
  • 23/12/1928 Palestra Itália 11x1 Palmeiras-BH
  • 21/04/1929 América-MG 11x1 Alves Nogueira
  • 28/04/1929 América-MG 11x1 Guarany-BH
  • 17/11/1929 América-MG 11x1 Santa Cruz-BH
  • 09/08/1931 América-MG 11x1 Guarany-BH
  • 31/05/1936 Villa Nova 11x1 Retiro
  • 26/06/1954 Cruzeiro 11x1 Metalusina
  • 19/04/1931 Palestra Itália 11x3 Guarany-BH
  • 30/08/1931 Atlético Mineiro 10x0 Sete de Setembro
  • 05/08/1951 Atlético Mineiro 10x0 Sete de Setembro
  • 04/05/1968 Cruzeiro 10x0 Independente-Uberaba
  • 21/04/1918 Villa Nova 10x1 Yale
  • 11/08/1929 América-MG 10x1 Palmeiras-BH
  • 01/06/1930 Sete de Setembro 10x1 Palmeiras-BH
  • 18/10/1936 Villa Nova 10x1 Retiro

o    Casos Específicos

·         O decacampeonato mineiro entre 1916 e 1925 rendeu ao América um lugar no Livro Guinness dos Recordes como a equipe de futebol com mais títulos consecutivos, ao lado do ABC Futebol Clube de Natal. [2]
·         Em 1926 houve dois campeonatos, organizados por duas ligas. O Atlético Mineiro venceu o campeonato da LMDT e o Palestra Itália (Cruzeiro) venceu o campeonato da AMET. Em agosto de 1926, o Palestra se desligou da LMDT e formou, com outros clubes suspensos, a Associação Mineira de Esportes Terrestres (AMET). Um campeonato próprio, com oito clubes foi organizado a partir de setembro. A escassez de jornais do periodo tornou praticamente impossível o levantamento de resultados. Apenas a LMDT era filiada à CBD. O título do Palestra de 1926 não é reconhecido pela Federação Mineira conforme site da FMF.[3]
·         Em 1932 duas ligas paralelas também organizaram seus campeonatos, a LMDT e a AMEG, desta vez as duas ligas eram filiadas à CBD e a FMF reconhece dois campeões nesta temporada.
·         Em 2002 as equipes que participaram da Copa Sul-Minas (Cruzeiro, Atlético, América e Mamoré) não disputaram o Campeonato Mineiro, vencido pela Caldense. Com o título estadual, a Caldense, se classificou para a disputa do Supercampeonato Mineiro, juntamente com as quatro equipes que participaram da Copa Sul-Minas. O Cruzeiro venceu o Supercampeonato Mineiro ao derrotar a Caldense, na partida decisiva.O Cruzeiro conquistou o título do inédito campeonato, mas este não é reconhecido pela FMF, já que a Federação apenas apoiou a organização do evento e não foi um torneio oficial da entidade.[4]
O E.T DE VARGINHA SINGULAR MASCOTE DO FUTEBOL MINEIRO

CARDS DOS ANOS 70 : CRUZEIRO E CALDENSE

TOMAZINHO DO ATLÉTICO MG E NILDO DO CRUZEIRO 1956

NELINHO / EDER

DADÁ MARAVILHA & TOSTAO

WAGNER (AMÉRICA) & EDMAR (CRUZEIRO

                              ATLETICANOS CRUZEIRENSES, CRUZEIRENSES ATLETICANOS

GALO E COELHO, MASCOTES DO ATLÉTICO E DO AMÉRICA

SEGUNDA DIVISAO
O Campeonato Mineiro Módulo II é um torneio de futebol disputado no estado de Minas Gerais. Organizado pela Federação Mineira de Futebol ele é o segundo nível do futebol mineiro promovendo seus primeiros colocados ao Módulo I.
No segundo semestre de 1993, para reduzir o número de times da primeira divisão de 23 para 12, todos os clubes que não disputassem qualquer divisão do Campeonato Brasileiro, jogariam a Supercopa Minas Gerais, uma espécie de "torneio da morte", que apontaria 8 times que se manteriam na primeira divisão para o ano seguinte. Algumas equipes, como o Rio Branco, não aceitaram disputar a competição. Outras já haviam desmontado seus elencos e desistiram de participar. Estas equipes foram, então, rebaixadas ao Módulo II de 1994, que ainda tinha o nome de Supercopa Minas Gerais.
Desde 1994, a Primeira Divisão é dividida em dois grupos. O Módulo I é a verdadeira primeira divisão. O Módulo II funciona como uma segunda divisão.
Títulos por time

  • 3 - Rio Branco de Andradas, Uberlândia.
  • 2 - Social, Guarani de Divinópolis, Mamoré, Boa Esporte (antes Ituiutaba).
  • 1 - Tupi, Villa Nova, Ipiranga de Manhuaçu, Democrata-GV, Uberaba, Ipatinga, América-MG, Araxá, U.R.T.
SELECAO MINEIRA 1957

SELECAO MINEIRA ANOS 40

1 comentario:

  1. Time refundado nao herda títulos do passado!!!
    Time Refundado não tem centenário!?
    O cruzeiro cair? extinto? Sendo que já foi até Refundado!!

    O Atlético já fez até o rival mudar de nome ..
    Isso aconteceu em 1942 quando se chamava Ipiranga, onde doou todos troféus e taças para campanha do metal na segunda guerra Mundial,ou seja todos os títulos até 1942 deixaram de existir pois o Ipiranga fechou as portas

    De palestra 1921" a Ipiranga 1942-|-

    Fonte: livros PDF
    A Lucta de Titans.
    Clássico dos clássicos das alterosas mineiras.
    Segue os artigos, um deles é a pag 167.
    https://gefut.files.wordpress.com/2012/11/a-lucta-dos-titans.pdf

    http://www.scielo.br/pdf/rbefe/v30n3/1807-5509-rbefe-30-03-0703.pdf

    ResponderEliminar