miércoles, 28 de diciembre de 2016

ALECRIM

ALECRIM

O Alecrim Futebol Clube é um clube brasileiro de futebol com sede em Natal, capital do estado do Rio Grande do Norte. O clube potiguar é heptacampeão estadual. O verdão é o terceiro clube potiguar com maior número de participações na Série A. Ao todo 11 participações em campeonatos nacionais, sendo as mais recentes a série D, em 2011, e a Copa do Brasil de Futebol de 2015. Verde e branco são suas cores. Foi fundado em 15 de agosto de 1915, um dos seus fundadores foi o depois presidente da República, Café Filho, que havia atuado como goleiro na equipe esmeraldina.
SEDE DO ALECRIM EM NATAL RGN

Nome                      Alecrim Futebol Clube
Alcunhas                Verdão
Periquito
Torcedor/Adepto   Alecrinense
Esmeraldino
Mascote                  Periquito
Fundação               15 de agosto de 1915 (100 anos)
Estádio                    Ninho do Periquito
Capacidade            5 000 pessoas
Localização            Natal,

HISTORIA DO ALECRIM
ESCUDOS DO ALECRIM

No dia 15 de agosto de 1915 um grupo de rapazes formado por Lauro Medeiros, Pedro Dantas, Cel. Solon Andrade, José Firmino, Café Filho (presidente da República e ex-goleiro do Alecrim em 1918 e 1919), Lauro Medeiros, Humberto Medeiros, Gentil de Oliveira, José Tinoco, Juvenal Pimentel e Miguel Firmino, em reunião realizada na casa do Cel. Solon Andrade, fundaram no então longínquo bairro do Alecrim, próximo da atual Igreja São Pedro, o Alecrim FC. A ideia inicial que motivou a fundação do clube esmeraldino tinha como objetivo principal ajudar de forma filantrópica as crianças pobres do bairro que lhe deu origem.
Alguns afirmam que o Alecrim foi fundado em 15 de agosto de 1917. Entretanto, no dia 26 de setembro de 1916, o jornal A República n.º 215 publicava a seguinte notícia na coluna “Várias”: “No bairro do Alecrim, alguns moços fundaram o Alecrim Foot Ball Club que manterá uma escola nocturna gratuita para o ensino às creanças pobres daquelle bairro. Louvamos a iniciativa dos jovens daquella associação, que por esta forma esforçam-se para extinguir o analphabetismo que em grande escala se desenvolve no nosso paiz” (grafia da época).
PRESIDENTE DO BRASIL JOGADOR DO ALECRIM

Apesar desta notícia ter sido publicada em 1916, isto não significa que o Alecrim Futebol Clube tenha sido fundado nesse ano, pois como a cidade do Natal se concentrava praticamente na Ribeira, e o Alecrim – chamado de bairro novo – localizava-se na zona rural de Natal, é possível que a notícia tenha sido publicada com atraso, pois como pesquisador observamos que certas notícias – de acordo com o interesse da imprensa – muitas vezes eram publicadas um ano após o fato.
Recentemente, o historiador Alberto Medeiros durante o desenvolvimento de sua pesquisa sobre a história do clube alecrinense, encontrou na Federação Norte-rio-grandense de Futebol (FNF), papel timbrado da década de quarenta com a data de fundação do Alecrim F.C. de 15 de agosto de 1915.
Além disso, na época, jogadores e torcedores de ABC e América de Natal faziam parte da elite da cidade, enquanto o Alecrim FC era composto basicamente de negros e descendentes de índios, o que os expunham a todo tipo de preconceito, que aliás, era muito comum no início do desenvolvimento do esporte bretão em nosso país.
O Alecrim nos anos sessenta era chamado de “o vingador” do futebol do Rio Grande do Norte, pois os times de outros estados quando vinham a Natal ganhavam de ABC e América de Natal e perdiam para o esquadrão esmeraldino. Exemplo de força do clube verde nesta década foi o caso do Rampla Júnior do Uruguai que numa excursão ao Brasil estava invicto: 0 a 0 com o Americano (RJ); 2 a 1 no Democrata de Governador Valadares (MG); 2 a 0 no Fortaleza (CE); 1 a 1 com o Treze (PB); 2 a 2 com o Náutico de Recife; vindo a perder finalmente para o Alecrim por 1 a 0 com gol do artilheiro Rui.
Os grandes dirigentes, baluartes e abnegados da história do Alecrim foram: Bastos Santana, Severino Lopes, Humberto Medeiros, Cel. Veiga, Cel. Pedro Selva, Clóvis Mota, Eli Moraes de Oliveira, Walter Dore, Brás Nunes, Rubens Massud, Wober Lopes Pinheiro, Gabriel Sucar, Cel. Solon Andrade, além do grande patrono Monsenhor Walfredo Gurgel (nome da atual sede campestre do clube). Foi na gestão do Governador Walfredo Gurgel que foi doado o terreno da Av. Alexandrino de Alencar, posteriormente vendido ao Ministério da Marinha que proporcionou recursos para a compra do terreno da atual sede campestre.[1] .

Títulos do Alecrim
Cscr-featured.pngCampeão Invicto
Estadual
Competição     Títulos                 Temporadas
Campeonato Potiguar   7           1924, 1925, 1963, 1964, 1968 Cscr-featured.png, 1985 e 1986
Torneio Início                              4                  1926, 1961, 1966 e 1972
Taça Cidade do Natal                 3                  1979, 1982 e 1986
Torneio Incentivo                        3                  1976, 1977 e 1978
Outras conquistas
3º Colocado do Campeonato Potiguar: 2 vezes — 1990, 2014.

CURIOSIDADES
MASCOTE DO ALECRIM

  • O Alecrim teve em sua história um presidente do Brasil que vestiu a camisa do clube — Café Filho, que atuava como goleiro e inclusive participou da fundação do Alecrim.
  • O Alecrim teve a honra que ter contado com Garrincha que por uma partida, que no dia 4 de fevereiro de 1968 jogou no Juvenal Lamartine com a camisa 7 do Alecrim num amistoso contra o Sport de Recife, que venceu por 1x0, gol de Duda. Público de mais de 6 mil pagantes, renda de Cr$ 21.980,00. Alecrim formou com Augusto, Pirangi, Gaspar, Cândido e Luizinho, Estorlando e João Paulo, Garrincha (Zezé), Icário, Capiba (Tarciso) e Burunga. Nesse amistoso, o Sport lançou, para testes, Garcia (RAC) e Evaldo (América), formando com Delcio, Baixa, Bibiu, Ticarlos e Altair, Valter e Soares, Bife, Cici, Duda (autor do gol) e Canhoto.
  • É do Alecrim o primeiro gol marcado no Estádio Maria Lamas Farache, no jogo inaugural contra o ABC, dono do estádio. O gol foi marcado por Da Cunha aos 38 minutos do segundo tempo.[2]

IDOLOS
Garrincha Anchieta Batedor Burunga Gentil Sansão Manuelzinho Perequeté Ticão

Edmo Sinedino Capiba Odilon Icário Petita Zezé Vinicius Mathias Miltinho Icáro Pindaró Foster Pelé Veiga Mundico Orlando Miro João Paulo Burunga Sileno Vasconcelos Murilo Davantel Alberí Baíca Gabriel Davantel Valter Cardoso Vinicius Portela


ALECRIM 1915

ALECRIM 1949

ALECRIM 1954

ALECRIM 1955

ALECRIM 1960

ALECRIM 1963

ALECRIM 1966

ALECRIM 1968

ALECRIM 1968

ALECRIM 1968

ALECRIM 1974

ALECRIM 1975

ALECRIM 1980

ALECRIM 1981

ALECRIM 1985

ALECRIM 1985

ALECRIM 1985

ALECRIM 1985


ALECRIM 1986

ALECRIM 1986

ALECRIM 1986

ALECRIM 1988

ALECRIM 1988

ALECRIM 1988

ALECRIM 1990

ALECRIM 1991

ALECRIM 1991

ALECRIM 1991

ALECRIM 1992


ALECRIM 1992

ALECRIM 1995

ALECRIM 1996

ALECRIM 1996

ALECRIM 1996

ALECRIM 1997

ALECRIM 2006

ALECRIM 2009

ALECRIM 2010

ALECRIM 2013

ALECRIM 2013

ALECRIM 2014

ALECRIM 2014

ALECRIM 2014

ALECRIM 2015

ALECRIM 2015

ALECRIM 2015

ALECRIM 2016

ALECRIM 2016

ANCHIETA E BASTOS

BETO PLATINI

GARRINCHA COM A CAMISA DO ALECRIM

HILO

MILTINHO E GALDINO

ODILÓN

RUY CABECAO

TICAO, SARAIVA E BERILO

VASCONCELOS E ELSÓN

No hay comentarios:

Publicar un comentario