domingo, 20 de noviembre de 2016

CRICIÚMA

CRICIUMA

Criciúma Esporte Club (cujo acrônimo é CEC) é um clube brasileiro de futebol sediado na cidade de Criciúma, no estado de Santa Catarina. Fundado em 13 de maio de 1947, com o nome de Comerciário Esporte Clube, é a agremiação mais vitoriosa do futebol de Santa Catarina. Atualmente disputa a Série B do Campeonato Brasileiro.

CIDADE DE CRICIUMA EM SANTA CATARINA 

Detentor das maiores glórias do futebol catarinense, o Criciúma foi o primeiro e único clube de Santa Catarina a conquistar o título da Copa do Brasil, em 1991,[3] de forma invicta. Além do mais importante título do futebol catarinense, o Criciúma tem em seu currículo um Campeonato Brasileiro da Série B conquistado em 2002 e um título do Campeonato Brasileiro da Série C, conquistado em 2006. No campeonato estadual, o Criciúma comemorou o título por 10 vezes, sendo o 4º maior vencedor do Catarinão e o time que mais terminou com o vice-campeonato — 10 vezes. É o único clube catarinense a participar de uma Copa Libertadores da América, alcançando a fase de quartas-de-final.[4] No futebol, é considerado pela imprensa catarinense como um dos cinco grandes clubes do estado, junto com o Avaí, Figueirense, Joinville e Chapecoense.
O Criciúma é o segundo clube catarinense com mais participações no Campeonato Brasileiro da Série A, com 13, atrás do Figueirense, com 4 a mais. E o clube que mais participou da Copa do Brasil, com 16 participações.

No Ranking da CBF, o Criciúma liderou como melhor catarinense até 2012, quando a CBF implementou um novo critério de pontuação, deixando de lado o histórico do clube e levando em conta apenas os últimos 5 anos. Em 2016, figura como segundo melhor, na 22ª colocação.
Seu maior rival é o Joinville, com quem protagoniza o Clássico do Interior (ou Clássico Norte-Sul), uma rivalidade regional que se acirrou a partir da década de 1970.[nota 1] . O Criciúma também tem forte rivalidade com a dupla da capital, Avaí e Figueirense, e com a Chapecoense.
Suas cores oficiais, presentes no escudo e bandeira do clube, são o amarelo, preto e branco. Manda suas partidas no Estádio Heriberto Hülse, que possui capacidade para 19.300 mil espectadores.
nome                         Criciúma Esporte Clube
Alcunhas                  O Time de Santa Catarina
Tigre
Tricolor Predestinado
Criciúma Dortmund
Torcedor/Adepto     Tricolor
Carvoeiro
Mascote                    Tigre
Fundação                 13 de maio de 1947(68 anos)
Estádio                      Heriberto Hülse
Capacidade              19.300 pessoas[1]
ESCUDOS DO CRICIUMA

História

Fundação

O CEC Comerciário Esporte Clube foi fundado em 13 de maio de 1947, na Praça Nereu Ramos, por um grupo de rapazes, na maioria com 18 anos, moradores do centro da cidade de Criciúma. Esta foi a primeira vez que o centro possuía um time de futebol.[6]
No dia 15 de maio, do mesmo ano, aconteceu a primeira partida do recém fundado clube. O adversário foi o já tradicional São Paulo Futebol Clube, da Vila Operária. O jogo aconteceu no estádio do Ouro Preto e a jovem equipe foi derrotada por 4 a 0.
A primeira bola do time foi comprada por 17 contos e 500 réis e o primeiro terno, listrado de azul e branco, adquirido após uma coleta no comércio. No dia 8 de junho, as duas equipes voltaram a se defrontar no mesmo local. O time do São Paulo voltou a aplicar outra goleada, 4 a 1, sendo que o zagueiro, Carlitos, foi o autor do primeiro gol do time do centro.
A primeira vitória só aconteceu na terceira partida, também diante do São Paulo, o Comerciário venceu pelo placar de 3 a 2. A primeira viagem foi para Siderópolis, onde o time enfrentou o Grêmio Esportivo Macedo Soares, onde a equipe de Criciúma Esporte Clube empatou com os donos da casa.

Primeiros títulos

O primeiro título do Comerciário foi conquistado em Siderópolis, em 8 de fevereiro de 1948. O time era considerado a zebra do torneio, por ser o caçula da região

O primeiro título estadual e a crise financeira

A principal façanha do time do centro foi a conquista do primeiro título estadual, que aconteceu no ano de 1968. Naquele tempo, estava despontando para o futebol nacional o ponteiro direito Valdomiro Vaz Franco, que depois foi um dos grandes ídolos do Sport Club Internacional de Porto Alegre. O título foi ganho em uma partida extra, contra o Caxias de Joinville, no Estádio Adolfo Konder, em Florianópolis. O time campeão era este: Batista; Alemão, Lili, Conti e Toco; Bita, Ivanzinho e Sado; Valdomiro, Chiquinho e Bossinha. O Caxias foi derrotado por 2 a 0 e a vitória ratificou o título dos Comercialinos.

O primeiro grande time

O time de 1978 foi o melhor que a cidade já teve. O meio campo contava com: Edgar, Paulinho Criciúma e Luiz Freire. No ataque: Anchieta e Vargas e, mais tarde, viria Paulinho Cascavel.
Este time deu a primeira glória ao Criciúma ao vencer o Flamengo por 4 a 2, logo após o mesmo ter sido campeão do mundo. Os gols foram marcados por Luiz Freire, Vargas (2) e Naldo para o Criciúma; Lico e Zico para o Flamengo.
A equipe que venceu o Flamengo era treinada por Lori Sandri. O jogo foi no dia 25 de fevereiro de 1982 e o time do Criciuma jogou com: Zé Carlos, Assis, Larry, Eduardo e Alvaro; Edmar, Paulinho Criciúma e Luis Freire; Mica, Vargas e Anchieta. No 2º tempo,entraram: Naldo, Serrano e Dagoberto. Foi a primeira derrota do Flamengo após o título Mundial. O Flamengo jogou com: Cantarelli, Leandro, Figueiredo, Marinho (Moser) e Júnior; Andrade (Vítor), Adílio, Zico e Lico; Tita (Popéia) e Nunes. O técnico era Carpegiani. O estádio ficou completamente lotado.
1987: Copa União
Em 1987, o Criciúma consegue a oitava colocação no módulo amarelo da Copa União, reconhecido pela CBF como o Campeonato Brasileiro de Futebol daquele ano

1989-1991: Campeão da Copa do Brasil e tricampeonato estadual

Em 1989, o time volta a ser campeão estadual, conquistando também em 1990 e em 1991 com o tri-campeonato estadual.
Ainda em 1991, o clube conseguiu o principal título da história do futebol catarinense em todos os tempos, a Copa do Brasil, contra o Grêmio. Na primeira partida, em Porto Alegre, aconteceu um empate em 1 a 1, com o gol do Tigre sendo assinalado em uma cabeçada do zagueiro Vilmar. Na partida de volta, no Heriberto Hülse, ocorreu outro empate, só que desta vez em 0 a 0. A vantagem do gol fora de casa deu ao Tigre o tão sonhado campeonato e a vaga para disputar a Libertadores da América em 1992 .O grupo base tinha: Alexandre; Sarandi (Jairo Santos), Vilmar, Altair (Wilsão) e Itá;Roberto Cavalo, Gélson e Grizzo; Zé Roberto (Vanderlei), Soares e Jairo Lenzi. Técnico: Felipão.

Campanha na Libertadores da América de 1992


Com o título da Copa do Brasil, o Criciúma assegurou vaga na Libertadores da América de 1992, sendo o único time catarinense a participar de uma competição de desse porte internacional. Terminou a Fase de Grupos com a melhor campanha e avançou até as quartas-de-final, então sendo eliminado pelo São Paulo, de Telê Santana, que acabou campeão da competição e do Mundial de Clubes do mesmo ano.

Década de 2000: Títulos, rebaixamentos e retornos

Título Brasileiro da Série B

No ano de 2002, o clube é campeão do Brasileiro Série B e após cinco anos garante o seu retorno à elite do futebol brasileiro, em uma final disputada contra o Fortaleza Esporte Clube. A primeira partida, na casa do adversário, o Fortaleza venceu por 2 a 0. Na volta, mesmo com forte chuva o Heriberto Hülse lotou para ver o Criciúma vencer por 4 a 1, com gols assinalados por Paulo Baier (3) e Dejair. O time que jogou a final foi: Fabiano; Paulo Baier, Cametá, Luciano, Luciano Almeida (Sandro); Cléber Gaúcho, Cléber (Edinho), Juca, Dejair; Delmer, Anderson Lobão (Tico). Técnico: Edson Gaúcho.

2004-2005: Descenso

Em 2003, o clube fez uma boa campanha na Série A, conseguindo manter-se na elite do futebol brasileiro, porém em 2004 caiu para a Série B[7] e em 2005, pela primeira vez, para a Série C do futebol nacional.

2006: Pela primeira vez na Série C e título

Em 2006, o clube conquistou o título do Brasileirão da Série C, garantindo seu retorno à Série B em uma goleada contra o Vitória. O Tigre não tomou conhecimento do adversário e naturalmente aplicou 6 a 0. Com gols marcados por Leandro Guerreiro, Alexsandro, Beto Cachoeira (2), Fernandinho e Zé Carlos. O elenco desta partida foi: Zé Carlos; Sílvio Criciúma, Rodrigo e Cláudio Luiz; Bosco, Leandro Guerreiro, Marcelo Rosa, Douglas e Fernandinho; Dejair e Beto Cachoeira. Técnico: Guilherme Macuglia.
O Tigre estreou no Brasileirão de 2014 em casa, contra o Palmeiras e perdendo por 2 a 1. Logo na rodada seguinte, nova derrota e dessa vez para o Goiás, em Goiânia, derrota essa que culminou na precoce demissão do técnico Caio Júnior e na contratação de Wagner Lopes. Até a parada para a Copa do Mundo FIFA de 2014, o Criciúma figurava na 13ª colocação, com 11 pontos; na volta, derrotou o Fluminense num dramático 3 a 2; após esse resultado, o tricolor catarinense ficou 10 rodadas sem vencer e entrou na zona de rebaixamento na 17ª rodada após a derrota por 2 a 0 para o Flamengo em casa. A derrota também custou o cargo do técnico Wagner Lopes. Foram 20 rodadas lutando para sair da zona onde ficou até o final do campeonato, que ficou marcado pela melancolia de um novo rebaixamento na história do clube. O decreto da queda veio com uma rodada de antecedência, no empate em 1 a 1 com o Flamengo[15] . A terrível temporada ficou marcada como a segunda pior do clube no Brasileirão da Série A[16], além de ter sofrido a pior derrota em uma competição oficial na sua história: 6 a 0 para o Botafogo, que acabou tendo o mesmo destino do clube carvoeiro: a Série B de 2015.
Estádio
ESTADIO HERIBERTO HULSE

O Estádio Heriberto Hülse, um dos principais do estado de Santa Catarina, já abrigou competições de nível internacional como a Copa Libertadores da América, época na qual foi completamente adaptado para competição, destaque entre os principais estádios do estado, é o único completamente coberto.
O proprietário do estádio é o Criciúma Esporte Clube, que até 1978 era conhecido como Comerciário Esporte Clube, ano que veio através de assembléia dos conselheiros do Comerciário Esporte Clube aprovar a mudança de nome.
O estádio atualmente tem capacidade para 19.300 torcedores, pois a capacidade foi adequada para cumprir as normas do Estatuto do Torcedor.
O nome do estádio é uma homenagem ao ex-governador do estado de Santa CatarinaHeriberto Hülse, por ser uma figura política que representou o Sul Catarinense, onde se situa a cidade de Criciúma e por vez o Majestoso.
TORCIDA AURINEGRA

Títulos
Cscr-featured.png Campeão Invicto
Nacionais
            Competição        Títulos Temporadas
            Copa do Brasil   1          1991Cscr-featured.png
            Campeonato Brasileiro - Série B   1          2002
            Campeonato Brasileiro - Série C  1          2006
Estaduais
            Competição        Títulos Temporadas
            Campeonato Catarinense   10        196819861989199019911993199519982005 e 2013
            Copa Santa Catarina    1    1993
            Taça Governador do Estado          8          1986198719901991199219931994 e 1995
Uniformes
Uniformes dos jogadores
·         1º - Camisa amarela com faixa horizontal preta e metade inferior branca, calções e meias pretas.
·         2º - Camisa branca com detalhes amarelos e pretos, calções e meias brancas.


TIGRE DE CRICIUMA

Ídolos da torcida


·         Esta é uma lista de jogadores de destaque que passaram pelo Criciúma e tornaram-se ídolos:
Nacionalidade Nome                                               Posição
Brasil                    Felipão                                            Treinador
Brasil                    Roberto                                           G
Brasil                    Luiz                                                 G
Brasil                    Alexandre                                       G
Brasil                    Vilmar                                             Z
Brasil                    Alexandre Lopes                            Z
Brasil                    Wilson (Wilsão)                              Z
Brasil                    Paulo Baier                                     LD/M
Brasil                    Sarandí                                           LD
Brasil                    Itá                                                    LE
Brasil                    Roberto Cavalo                              V
Brasil                    Grizzo                                             M
Brasil                    Gélson                                             M
Brasil                    Douglas                                           M
Brasil                    Jairo Lenzi                                     A
Brasil                    Soares                                             A
Brasil                    Lucca                                              A
Brasil          Mahicon Librelato                                           A
Brasil          Zé Carlos                                                           A

Brasil          Lins                                                                    A
CRICIUMA ANTIGAMENTE COMERCIARIO 1920

COMERCIARIO CRICIUMA 1940

COMERCIARIO CRICIUMA 1941

COMERCIARIO CRICIUMA 1941

COMERCIARIO CRICIUMA 1950

COMERCIARIO CRICIUMA 1950

COMERCIARIO CRICIUMA 1955

COMERCIARIO CRICIUMA 1961

COMERCIARIO CRICIUMA 1963

COMERCARIO CRICIUMA 1968

CRICIUMA 1978

CRICIUMA 1980

CRICIUMA 1982

CRICIUMA 1984 Galvão, Silvio Laguna, Eduardo, Gilmar Barbosa, Sandrini, Sérgio Fernandes. Paulinho, Edmilson, Ze Carlos Paulista, Barbieri e Jorge Veras

CRICIUMA 1985

CRICIUMA 1985

CRICIUMA 1986

CRICIUMA 1986

CRICIUMA 1988

CRICIUMA 1989

CRICIUMA 1991

CRICIUMA 1991

CRICIUMA 1991

LUIZ FILIPE SCOLARI NO CRICIUMA 1991

CRICIUMA 1991

CRICIUMA 1991

CRICIUMA 1991

CRICIUMA 1991 TREM DO TIGRE


CRICIUMA 1992

CRICIUMA 1993

CRICIUMA 1993

CRICIUMA 1994

CRICIUMA X GREMIO 1994

CRICIUMA 1995

CRICIUMA 1995

CRICIUMA 1995

CRICIUMA 1995

CRICIUMA 1995

CRICIUMA  X  SANTOS 1997

CRICIUMA 1998

CRICIUMA 2002

CRICIUMA X PALMEIRAS 2003 * PAULO BAIER NO TIGRE FRENTA A ZINHO

CRICIUMA 2005

CRICIUMA 2006

CRICIÚMA 2007

CRICIÚMA X PORTUGUESA 2011

CRICIÚMA 2012 douglas leite ezequiel mateus ferraz nirley marlon rodrigo possebon fransergio kleber valber giovanni augusto douglas

CRICIÚMA 2013

CRICIÚMA 2013

CRICIÚMA 2013

CRICIÚMA 2013

CRICIÚMA 2016

DEJAIR

DUDÚ E PAULO SERGIO

GRIZZO

JAIRO LENZI

MARCOS ASSUNCAO

NETO BAIANO

O ETERNO PAULO BAIER

ROBERTO CAVALO

RODRIGO ANDRADE

SOARES - 459 JOGOS PELO CRICIÚMA

VANDERLEI ARTILHEIRO HISTÓRICO DO CRICIÚMA

ZÉ CARLOS

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada