jueves, 20 de octubre de 2016

FUTEBOL AMAZONENSE

CAMPEONATO AMAZONENSE

O Campeonato Amazonense de Futebol é a competição organizada pela Federação Amazonense de Futebol para disputa do título de campeão estadual entre os clubes profissionais da modalidade no estado Amazonas. É disputado desde 1914, sendo que foi amador até 1963, tornando-se profissional a partir de 1964, e em 1967 passou a ser organizado pela FAF. É através deste que se definem os representantes amazonenses nos torneios nacionais como Copa Verde, Copa do Brasil de Futebol e Campeonato Brasileiro de Futebol - Série D.


RIO AMAZONAS

MANAUS 

História do Campeonato Amazonense
O futebol chegou no Amazonas entre o final do século XIX e os primeiros anos do século XX, sendo que, em Manaus, era praticado basicamente por ingleses. Os primeiros clubes de Manaus surgiram ainda no inicio do século, sendo que recentemente foi descoberto por um pesquisador local aquele que pode ser o primeiro clube fundado no estado, o Racing Club Amazonense, em 13 de Maio de 1906. A existência desse e de outros clubes antes de 1914 mostra que o futebol no Amazonas surgiu bem antes do primeiro torneio estadual em 1914.
O campeonato só foi realizado pela primeira vez quase dez anos depois, já sem a existência do Racing. Era composta por cinco clubes principais e mais três ou cinco que integrariam a segunda divisão. Nessa época, o Manaos Athletic Club se orgulhava de ser composto unicamente por britânicos e se consideravam "Os imbatíveis". Neste mesmo período, o desenvolvimento do esporte foi chamando a atenção da elite jovem desportista da cidade.
Os jogos eram realizados nas praças públicas e no bosque municipal, geralmente acontecendo no final da tarde. O "horário nobre" dos jogos era às 16h30, quando os clubes chamados de "primeiros teams" se enfrentavam . Já nos demais horários, se enfrentavam os clubes dos segundos e terceiros "teams". Em alguns casos, os clubes dos teams adjacentes se enfrentavam em horários das 5h da manhã.
As praças e bosques públicos podiam ser requeridos junto à Intendência Municipal pelos clubes, e foi isso que o recém-fundado Athletic Rio Negro Club fez para ter direito a atual Praça da Saudade, onde fazia seus treinos, mandava seus jogos e eventualmente cedia para outros clubes. Nesta época as temporadas duravam quatro meses e não eram consideradas oficiais.
Por volta da década de 10, times como o Manaos A.C. já eram raros, o público interessado pelo futebol era crescente, e o esporte já era divulgado nos jornais locais. O número de equipes era também muito grande, e logo foi considerado o fato de ser necessário um torneio oficial no estado. Por isso, em 10 de janeiro de 1914 foi fundada a Liga Amazonense de Football, para gerenciar o Campeonato Amazonense de Futebol que teria sua primeira edição no mesmo ano.
De 1914 a 1963, período do amadorismo, muitos clubes surgiam e desapareciam, clubes outrora tradicionais e também os ligados à colônias estrangeiras hoje completam décadas afastados do futebol. Casos como o da União Esportiva Portuguesa, que extinguiu-se completamente pouco tempo atrás, afastado do futebol desde a década de 50 e representante dos portugueses, nascido da fusão de dois clubes lusos, um deles o Club Vasco da Gama, que participou do primeiro torneio estadual em 1914. Nesse tempo, surgiam as maiores rivalidades do futebol do estado, das desavenças e brigas pelas taças a partir dos anos 20, surgia o Clássico Rio-Nal e de um importante cisão nos anos 30 o Pai e Filho entre Nacional e Fast, que seria ao lado do Nacional a grande força do amadorismo depois do afastamento do Rio Negro, até os anos 70.
Daí em diante o futebol do Amazonas só cresceu, e teve seus anos áureos no período da década de 60 a meados do final da década de 80, com médias de público entre as melhores fora do eixo Sul-Sudeste. Os dias de Rio-Nal eram sinônimos de casa cheia, jogadores de renome sempre se apresentavam no estado. Além de Nacional e Rio Negro, clubes como Fast Clube e Olímpico Clube também tinham números expressivos de torcedores.
O maior palco do futebol amazonense foi o Estádio Vivaldo Lima, que foi demolido para dar lugar a Arena da Amazônia. Neste estádio foram vistos grandes públicos, histórias foram feitas e estórias propagadas. O futebol amazonense começou a decadência no final dos anos 80, com a criação do Clube dos 13 e o início da chamada "Era Dissica", que perdura por mais de 20 anos e tem como principal marca o afastamento do público dos estádios e a decadência do apoio aos atletas locais, o que tornou o nível técnico do campeonato piorado, cheio de goleadas gigantescas, afastamento de clubes tradicionais.
No ano de 1980, participaram pela primeira vez clubes do interior do estado, estes eram Penarol de Itacoatiara e Olaria de Humaitá, em 1995 o Princesa do Solimões de Manacapuru foi o primeiro a ser finalista do torneio e dez anos mais tarde, em 2005 o Grêmio Coariense foi o primeiro clube fora de Manaus a ser campeão.
Campeonato Amazonense

O Campeonato Amazonense de futebol foi o segundo a ser disputado na Região Norte na modalidade. A primeira edição foi disputada em 1914 por cinco equipes de Manaus, sendo organizada pela Liga Amazonense de Foot-Ball. Nacional e Rio Negro, ambos da capital, são os únicos times ainda ativos que disputaram aquela primeira edição do campeonato.
O campeonato foi organizado pelas seguintes entidades:
  • Liga Amazonense de Foot-Ball (LAFB) - 1914 a 1915
  • Liga Amazonense de Sports Athléticos (LASA) - 1916
  • Federação Amazonense de Desportos Athléticos (FADA) - 1917 a 1965
  • Federação Amazonense de Futebol (FAF) - 1966 até os dias atuais.
Profissionalismo
Em 1964, o Campeonato Amazonense tornou-se profissional, apesar de antes dessa data os clubes já pagarem os chamados "bichos" e fazerem contrato e compra de jogadores. O número de clubes aptos a participar do Campeonato caiu grotescamente de mais de 20 filiados para 7 clubes, destes mais de 20 clubes, cerca de 12 nunca mais participaram do Campeonato Amazonense.
Na época do amadorismo o futebol de Manaus tinha bons públicos e excelentes rendas, mas os bons jogadores acabavam por desistir da carreira ou ir para outros centros pela falta de apoio, e mesmo depois do profissionalismo, a maioria dos pequenos clubes do estado contratava o jogador em troca de empregos extra-esportivos em alguma empresa parceira.
Com o profissionalismo o futebol do Amazonas cresceu gradualmente, era um dos mais organizados das Regiões Norte e Nordeste e sempre alternadamente com o Pará tinha as melhores médias de público do Norte e Meio Norte (região que compreende aos estados do Maranhão e Piauí). Na época, Manaus e Belém tinham o mesmo contingente populacional. Os clubes começavam a se sustentar de rendas e criar patrimônios, e por este motivo foi construído o Estádio Vivaldo Lima, que fora o maior palco das grandes glórias do futebol "baré".
FAF
A FAF foi fundada em 1966 com o intuito de gerir o futebol do estado, sua fundação fora motivada pela briga entre a ACLEA (Associação dos Cronistas e Locutores Esportivos do Amazonas) e a antiga FADA. A FAF organizou bastante o futebol amazonense, nos seus primeiros anos a entidade teve prestigio inclusive de trazer a Seleção Brasileira para inaugurar o Vivaldão. A trajetória mais marcante foi no tempo de Flaviano Limongi, que realmente obteve conquistas memoráveis para o futebol local.
Nos últimos vinte anos o futebol amazonense entrou em decadência, tempo que coincide com o início da atual gestão da FAF. Isso é visto por muitos como um dos motivos de tamanha decadência. Há anos a entidade vem sendo suspeita de alterar os borderôs e "engolir" rendas, além de administração fraudulenta e crimes fiscais.
ACPEA
Em 2014, 100 anos depois do primeiro campeonato estadual, os clubes profissionais do Amazonas se uniram para fundar aquela que na teoria seria uma associação para resgatar o prestigio do futebol Amazonense, apenas na teoria. A Associação dos Clubes Profissionais do Estado do Amazonas promoveu a Copa Amazonas de 2015 e levou o estadual de 2016 para o segundo semestre, o que não acontecia no estado há muitos anos, deixando o Amazonas completamente desalinhado ao calendário nacional.

Títulos por equipe

  • De 1914 a 1963 o Campeonato foi disputado no regime amador.
  • De 1964 em diante foram disputados campeonatos do regime profissional

Clube         Cidade        Títulos
Rio Negro  Manaus        17 (1921, 1926, 1927, 1931, 1932, 1938, 1940, 1943, 1962, 1965, 1975, 1982, 1987, 1988, 1989, 1990, 2001)
São Raimundo              Manaus       7 (1961, 1966, 1997, 1998, 1999, 2004, 2006)
Fast Clube Manaus        6 (1948, 1949, 1955, 1960, 1970, 1971)
América     Manaus        6 (1951, 1952, 1953, 1954, 1994, 2009)
Olímpico    Manaus        3 (1944, 1947, 1967)
Manaos Athletic           Manaus       2 (1914, 1915)
Cruzeiro do Sul            Manaus       2 (1928, 1930)
Portuguesa                    Manaus       2 (1934, 1935)
Auto Esporte                Manaus       2 (1956, 1959)
Sul América                  Manaus       2 (1992, 1993)
Penarol      Itacoatiara   2 (2010, 2011)
Manaos Sporting          Manaus       1 (1929)
Santos        Manaus        1 (1958)
Rodoviária Manaus        1 (1973)
Grêmio Coariense        Coari          1 (2005)
Holanda     Rio Preto da Eva            1 (2008)
Princesa     Manacapuru        1 (2013)

Título por cidade

  • Até 2005, apenas Manaus tinha se consagrada campeão com seus clubes.
  • Em 2005, o município de Coari (hoje com cerca de 78 mil habitantes) entrou na lista de cidades campeãs, quebrando um tabu com o Coariese.
  • Em 2011, a cidade de Itacoatiara foi a primeira do interior a se sagrar bicampeã estadual, com o Penarol.
  • O Fast Clube mandou seus jogos em Tefé, Itacoatiara, e, recentemente em Manaquiri. Como é um clube fundado e sediado em Manaus, as suas participações contam nas estatísticas de Manaus.
  •  
Clube
Títulos
Vices
Terceiro
Quarto
Manaus                95         95      91            87
Itacoatiara            2           0        6              7
Manacapuru         1           4        3              5
Coari                    1           1        0              0
Rio Preto da Eva 1           0        0              0
Iranduba              0           0        0              1
Os municípios de Manaus, Itacoatiara, Manacapuru, Coari, Manicoré, Humaitá e Iranduba tiveram

Ranking Estadual de Posições

  • 01° - 31 pontos exatos para o campeão
  • 02° - 21 pontos exatos para o vice-campeão
  • 03° - 11 pontos exatos para o terceiro colocado
  • 04° - 8 pontos exatos para o 4 colocado
  • 05° - 5 pontos exatos para o 5° colocado
  • 06° - 2 pontos exatos para o 6° colocado
  • 07°... - 1 ponto
  • Último - 0, independente do número de clubes, o último colocado sempre ficaria sem pontos.

P         Clube                      Pontos       Partipações Média
1°        Nacional (Manaus)  1119          48                23,3
2°        Rio Negro (Manaus)                 0644            43         14,9
3°        Fast Clube (Manaus)                 0536            46         11,6
4°        São Raimundo (Manaus)          0431            44         9,7
5°        América (Manaus)  0222          47                4,7
6°        Sul América (Manaus)              0219            45         4,8
7°        Penarol (Itacoatiara)                 0167            16         10,4
8°        Princesa (Manacapuru               0136            20         6,8
9°        Rodoviária (Manaus)                0075            06         12,5
10°      Clíper (Manaus)      0069          11                6,2
11°      Olímpico Clube (Manaus)        0065            08         8,1
12°      Coariense (Coari)    0056          03                18,6
13°      Libermorro (Manaus)                0042            27         1,5
14°      Holanda (Rio Preto da Eva)      0033            3           11
15°      Iranduba (Iranduba)                  0008            01         8
16°      Operário (Manacapuru)             0005            02         2,5
17°      CDC (Manicoré)     0003          03                1
18°      Compensão (Manaus)               0001            01         1
19°      CEPE (Iranduba)    0001          01                1
20°      Olária (Humaitá)     0001          01                1

Artilheiros
Artilheiros do Campeonato Amazonense de Futebol
Ano  Artilheiro       Clube                         Gols
1956 Padeirinho       Fast Clube (Manaus)  15
1957 Quinha            Olímpico (Manaus)    38
1958 Pretinho           Santos (Manaus)         13
1959 Gordinho         Auto Esporte (Manaus)           25
1960 Português        Fast Clube (Manaus)  20
1961 Nonato            Auto Esporte (Manaus)           10
         Lacinha           Nacional (Manaus)    
1962 Sabá                Nacional (Manaus)     8
1963 Edson Piola     Fast Clube (Manaus)  23
1964 Santarém         São Raimundo (Manaus) 13
1965 Sabá Burro Negro Rio Negro (Manaus)          10
1966 Sabá Burro NegroRio Negro (Manaus)           8
1967 Irailton            Olímpico (Manaus)    9
1968 Aírton              São Raimundo (Manaus)         6
1969 Santos             Rio Negro (Manaus)   9
1970 Afonso            Fast Clube (Manaus)  10
         Luís Darque    Olímpico (Manaus)   
1971 Edson Piola     Fast Clube (Manaus)  9
         Santos             Olímpico (Manaus)   
1972 Walmir Coutinho Nacional (Manaus) 6
         Rolinha            São Raimundo (Manaus)        
         Santarém                                            
1973 Ronildo           São Raimundo (Manaus)         7
1974 Bibi                 Nacional (Manaus)     7
1975 Domingos        Fast Clube (Manaus)  12
1976 Lívio                Rio Negro (Manaus)   22
1977 Zezinho           Nacional (Manaus)     17
         Careca             Sul América (Manaus)
1978 Careca             Nacional (Manaus)     15
1979 Careca             Nacional (Manaus)     15
1980 Edson              Penarol (Itacoatiara)   19
1981 Jásson              Nacional (Manaus)     14
1982 Índio               Rio Negro (Manaus)   9
1983 Tita                  Rio Negro (Manaus)   14
1984 Dario Peito de Aço Nacional (Manaus)          14
1985 Tonho              Penarol (Itacoatiara)   19
1986 Volnei             Rio Negro (Manaus)   15
1987 Jásson              Nacional (Manaus)     20
1988 Rildo               Princesa do Solimões (Manacapuru)   6
1989 Sylvinho - cariocaNacional Futebol Clube (Manaus) 13
1990 Marcão            Rio Negro (Manaus)   7
1991 Sabino             Fast Clube (Manaus)  8
1992 Humberto        Rio Negro (Manaus)   9
1993 Alcimar           Nacional (Manaus)     8
1994 Ney                 Nacional (Manaus)     8
1995 Valmir             Libermorro (Manaus) 4
         Jorge Veras     Nacional (Manaus)    
1996 Alcimar           Cliper (Manaus)          10
1997 Bugrão            São Raimundo (Manaus)         17
1998 Jair                   Sul América (Manaus) 13
1999 Ivan                 Cliper (Manaus)          10
2000 Aílton              Nacional (Manaus)     12
2001 Aílton              Nacional (Manaus)     15
2002 Zé Carlos         Cliper (Manaus)          16
2003 Torrinha           Nacional (Manaus)     11
2004 Delmo             São Raimundo (Manaus)         24
2005 Marinho           Grêmio Coariense (Coari)       9
         Diego              Nacional (Manaus)    
2006 Bazinho           Fast Clube (Manaus)  13
         Delmo             São Raimundo (Manaus)        
2007 Val                  Princesa do Solimões (Manacapuru)   9
2008 Ernandes         Fast Clube (Manaus)  11
2009 Branco             Nacional (Manaus)     12
2010 Charles            Penarol (Itacoatiara)   10
         Nando             Princesa do Solimões (Manacapuru)  
2011 Bazinho           Operário (Manacapuru)           11
2012 Leonardo         Nacional (Manaus)     14
2013 Robemar          Penarol (Itacoatiara)   12
2014 Michel Parintins Princesa do Solimões (Manacapuru)           11
2015 Charles            Fast Clube (Manaus)  13

Clássicos do Campeonato Amazonense
ESTADIO DE MANAUS

  • Rio-Nal, clássico em que os maiores campeões do Amazonas se enfrentam, Rio Negro e Nacional. É o clássico que registra a maior sequência de grandes públicos do futebol amazonense, é também o mais antigo em disputa na Região Norte.
  • Pai-Filho, protagonizado pelo Fast e pelo Nacional, onde o filho (Fast Clube) enfrenta o pai (Nacional), o clássico recebe esta denominação pelo Fast ter sido fundado por dissidentes do Nacional. Clássico ganhou grande atenção após o afastamento do Rio Negro e na década de 70.
  • Rio-Fas, é o clássico onde Rio Negro e Fast se enfrentam, a rivalidade era grande no passado, hoje tem se amornado mais devida a má fase do clube alvinegro.
  • Galo Preto, disputado pelos vizinhos São Raimundo e Sul América, leva o nome pelos famosos rituais que eram feitos antes dos confrontos.
Classico re pa Edgar Proença, nome do Mangueirão; Rubilar, ex-remador autor do primeiro gol; e Hélio, artilheiro do clássico.

Jogos de destaque atual
Erroneamente e costumeiramente, os veículos de informação do Amazonas trata qualquer jogo entre clubes que lideram a tabela ou campeões recentemente como clássico.
  • Nacional x São Raimundo, o confronto já recebeu o nome de Clássico Azul, porém a rivalidade entre os dois clubes nunca foi forte e é muito recente. Chamar o confronto de clássico foi um certo esforço da imprensa local amazonense em por o confronto em evidencia.
  • Rio Negro x São Raimundo, já chamado de "Clássico da Luta" o confronto decidiu grandes finais no final dos anos 90. Apesar do bom retrospecto do São Raimundo nos últimos anos, o clube da colina nunca foi visto com rivalidade pela torcida barriga-preta.
  • Operário x Princesa, o confronto foi disputado pela primeira vez no campeonato amazonense de 2011. Os clubes ainda não exercem a rivalidade de um clássico, porém recebeu grande destaque pelo fato de ambos serem do município de Manacapuru, o que lhes concederia o termo "Derby" muito utilizado no futebol quando se trata de confrontos municipais.
  • Clássico dos Leões(Nacional x Penarol), o confronto não é um clássico, novamente a imprensa local tentando por o confronto em evidencia pelo simples fato dos dois clubes terem características muito parecidas e também por serem equivalentemente competitivos nas ultimas temporadas.
FESTA DE PARINTINS 

O Campeonato Amazonense de 
Futebol da Segunda Divisão
Começou a ser disputado junto com a criação do estadual em 1914, devia-se ao fato dos clubes terem dois times ou clubes "novos" não terem prestigio pra jogar a Liga principal. A segunda divisão existiu por grande parte do amadorismo quando o campeonato estadual do Amazonas, em seu ápice, possuía um grande número de clubes participando. Chegou-se ao numero de mais de vinte(20) clubes filiados a FADA. Com o intuito de prestigiar a primeira divisão, foi promovida a divisão, além dos "Segundos Quadros" dos clubes da primeira divisão, muitos clubes de bairro participaram do torneio até a sua extinção antes do profissionalismo.
·         Com a instalação do profissionalismo, muitos clubes não tiveram condições de continuar e se desfiliaram, e o baixo número de equipes profissionais em atividade, o campeonato da segunda divisão amazonense deixou de ser disputado. Em 2007, 45 anos depois do fim do torneio, o campeonato passou a ser disputado novamente, usando do sistema de acesso e rebaixamento. Em 2014a Série B foi novamente inativada.
·         A segunda divisão do Campeonato Amazonense teve sua origem em 1914, disputada com os mesmos clubes da primeira divisão, só que estes jogavam com os times "B", ou "segundos quadros" como era comum na época, a disputa durou bastante tempo, a maior prova disso é que clubes tradicionais que ingressavam após os dois primeiros torneios, só chegavam à primeira divisão depois de disputar o "Segundo Escalão". Um exemplo é o Fast Clube fundado em 1930, que ganhou a segunda divisão em 1931 e estreou na divisão principal em 1932. Porém, poucos registros existem deste período.
·         Em 1958 a divisão foi formulada oficialmente para clubes de menor condição que inchavam a primeira divisão de W.O. por não terem condições de bater de frente com os mais fortes da época. A segunda divisão durou até 1962 quando o amadorismo já estava acabando e os clube já tinham de pagar pequenos salários e bichos a seus jogadores.
·         Em 2007 a segunda divisão foi recriada e com ela se profissionalizaram novos clubes, porém, seus públicos ainda eram muito pequenos, com a presença do time B do Nacional, que chegou à final com determinada facilidade, enfrentando o Holanda, mas acabou perdendo o título, e como o clube não poderia receber a vaga do acesso, repassou-a ao CEPE.
·         Diferentemente do Nacional, o Rio Negro disputou a segunda divisão como rebaixado da primeira divisão de 2008, disputou no mesmo ano e foi campeão dos dois turnos, na edição que contava ainda com o Penarol e o time B do São Raimundo. O clube alvinegro voltaria a disputar em 2010 chegando ao acesso e vice-campeonato, após vencer o segundo turno e perder a final para o Operário. Em 2014 a história se repetiu e o Galo da Praça da Saudade, após vencer o primeiro turno e perder o segundo, perde para o Operário e é vice campeão da Segundona do Barezão. Em 2015 é anunciada a extinção(ou melhor, a inativação por tempo indeterminado) da Série B do Campeonato Amazonense, dando lugar à Copa Amazonas de Futebol e com a Primeira Divisão contando com 15 times.[1]
Títulos Por Clube
Clube                        Títulos
Manaos Sporting      2 (1914 e 1915)
Rio Negro                 2 (1917 e 2008)
América                    2 (1960 e 1962)
Operário                    2 (2010) e 2014)
Internacional             1 (1957)
Guarani                     1 (1958)
Estrela do Norte       1 (1959)
Labor                        1 (1961)
Holanda                    1 (2007)
CDC Manicoré          1 (2011)
Manaus                     1 (2013)

CLUBES DO AMAZONAS
·         Fast (Manaus)
·         Holanda (Rio Preto da Eva)
·         Iranduba (Iranduba)
·         Nacional (Manaus)
·         Penarol (Itacoatiara)       
·         Princesa do Solimões (Manacapuru)
·         Rio Negro (Manaus)
·         São Raimundo (Manaus)
·         Sul América (Manaus)
·         Tarumã (Manaus)
·         CDC Manicoré (Manicoré)
·         Clíper (Manaus)
·         Manaus (Rio Preto da Eva)        
·         Nacional Borbense (Borba)
·         Operário (Manacapuru)
·         América (Manaus)
·         ASA (Manaus)
·         CEPE (Iranduba)
·         Grêmio Coariense (Coari)
·         Grêmio Humaitá (Humaitá)       
·         Libermorro (Manaus)
·         Manaus Compensão (Manaus)
·         Nilton Lins (Manaus)
·         Olaria (Humaitá)
·         Olímpico (Manaus)                 
·         Amazonas EC (Parintins)
·         Amazonas SC (Manaus)
·         Auto Esporte (Manaus)
·         Barés (Manaus)
·         Brasil (Manaus)
·         Comercial (Manaus)
·         Cruzeiro do Sul (Manaus)
·         Educandos (Manaus)
·         Eldorado (Manaus)
·         Estrela do Norte (Manaus)
·         Euterpe (Manaus)
·         Fluminense (Manaus)
·         General Osório (Manaus)
·         Guanabara (Manaus)
·         Guarani (Manaus)           
·         Independência (Manaus)
·         Internacional (Manaus)
·         Labor (Manaus)
·         Libertador (Manaus)
·         Luso (Manaus)
·         Manaos AC (Manaus)
·         Manaos SC (Manaus)
·         Monte Christo (Manaus)
·         Payssandu (Manaus)
·         Portuguesa (Manaus)
·         Princesa Isabel (Manaus)
·         Rodoviária (Manaus)
·         Santos (Manaus)
·         Tijuca (Manaus)
·         Vasco (Manaus)
·         Cheik (Manaus)
MARCOLINO- SELECAO DO AMAZONAS 1926

SELECAO DO AMAZONAS 1943

SELECAO DO AMAZONAS 1956

SELECAO DO AMAZONAS 1929


No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada